Sala Vip

Cândida Lucena

19/06/2018

1
Foto: Kadu Martins
 
Seja para manter o rosto bonito, tratar de um problema de pele ou remover uma tatuagem, o médico dermatologista é o mais procurado. Ao todo são oito anos de curso, mais de quatro mil doenças estudadas, entre outros procedimentos cirúrgicos exigidos em tratamentos, para, então, conseguir o tão desejado “Título de Especialista em Dermatologia”, da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
 
Mas, além de estudar bastante, o bom profissional, necessita, principalmente, ter paixão pela área para ajudar na autoestima ou na cura de um paciente. É o caso de Cândida Lucena, 34. Filha de médicos, ela assimilou a profissão dos pais desde criança e se apaixonou completamente pela medicina. “O profissionalismo dos meus pais e a maneira como eles atuavam no trabalho fizeram com que eu me encantasse com a área de saúde”, esclarece. Formada pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), decidiu seguir dermatologia ainda na graduação, e, desde então, não se imaginou fazendo outra atividade.
 
Após a formação, fez residência médica em Salvador/ BA, e Cândida revela que ficar longe do aconchego do lar, pela primeira vez, e encarar os desafios dos estudos sem ter a família por perto, foram momentos bem difíceis para ela, mas, por amor à profissão, conseguiu concluir tudo com sucesso. Continuou vivendo na cidade por cinco anos, até que o destino à fez retornar a João Pessoa novamente, para ficar ao lado da mãe, Verônica Lucena, que passara por um momento de saúde delicado. Agora, a mulher que a ensinou a ter disposição para ajudar as pessoas, a ser honesta na vida e a lutar por seus sonhos, estava prestes a partir... “Foi um momento delicado, de silêncio barulhento que me deixou sem chão. O vazio, deixado por sua partida, até hoje é algo que não se preenche”, revela, acreditando que o futuro ainda lhe trará muitas surpresas boas.
 
Com oito anos de formada, hoje ela trabalha com procedimentos dermatológicos faciais. Segundo Cândida, um trabalho de muita responsabilidade, no qual não se pode arriscar. “O rosto é a parte mais visível do nosso corpo. O estado e a aparência da pele facial são os principais indicadores da saúde total e tem um papel significativo em nossa autoestima, por isso o tratamento tem que ser bem adequado”, explica. Ela revela que um dos seus grandes aliados na formação profissional dela foi o gosto pelas artes. Apaixonada por desenhos de figuras humanas e pinturas de óleo, ela desenvolveu uma sensibilidade mais aguçada, voltada para a harmonia dos traços, tornando-a uma profissional detalhista e focada em atender as necessidades dos clientes, até aqueles mais críticos e exigentes.
 
Atualmente atendendo em clínica particular, também é médica da UFPB. Incansável, dedica-se a pesquisas sobre os efeitos crônicos da radiação solar na pele e possui alguns projetos em desenvolvimento. Em um futuro próximo, oferecerá tratamentos avançados em rejuvenescimento com a utilização de injetáveis e lasers. Para quem deseja seguir a mesma carreira, Cândida fala motivada: “Nunca desista! Quanto maior a dificuldade, maior será sua recompensa no final”.
 

“Se queres vencer o mundo inteiro, vence-te a ti mesmo”

Fiódor Dostoiévski

 
 
 
 

Últimos Registros:







Ver todos os registros






AS MAIS LIDAS*

1
1
1
1
1
1
1
1
1
1
* Notícias mais acessadas da semana


Twitter @fashionnews_



Encontre-nos

twitter Facebook



Copyright © 2018
Todos os direitos reservados a Fashion News
Webmail - Administração

Fuzzon